Virgulino Ferreira da Silva, vulgo Lampião nasceu em Serra Talhada no dia 7 de julho de 1898 e morreu em Poço Redondo dia 28 de julho de 1938, ele foi um cangaceiro brasileiro e ficou conhecido como o rei do cangaço. Confira agora algumas frases de Lampião que selecionamos para você colocar no Msn ou Orkut.
Dinheiro eu tenho que só bosta de cabra em chiqueiro velho. Obs.: Frase dita a um morador de uma pequena cidade de Sergipe que estranhou a quantidade de dinheiro que Lampião carregava. [ Lampião ]
Num sei pruquê eu nunca vi home corado na minha frente. Obs.: Dito em Queimadas, na Bahia, enquanto sangrava (enfiava o enorme punhal na fossa clavicular) sete soldados da polícia. [ Lampião ]
Diga a ele que eu não tenho medo de boi velhaco, quanto mais de bezerra. Obs.: Recado enviado ao tenente João Bezerra, o homem que o matou em Angico. [ Lampião ]
Cidade com mais de uma torre não é para mim. [ Lampião ]
É Lampião que vai entrando, amando, gozando, querendo bem. Bom cumo arroz doce tando carmo. Zangado é salamanta. Obs.: Frase pronunciada em Capela (SE). [ Lampião ]
Que negro bom para uma enxada. Obs.: Aqui, Lampião confessa todo seu preconceito racial. Ele examinava as mãos de um juiz de Direito no interior da Bahia, por duvidar que ele era mesmo uma autoridade pelo fato de ser negro. [ Lampião ]
Lá vêm os macaquinhos. Vamos pegar para criar que eles são bonitinhos. Obs.: Provocação referindo-se aos soldados, que os cangaceiros chamavam de macacos. [ Lampião ]
Virgulino Ferreira da Silva, vulgo Lampião nasceu em Serra Talhada no dia 7 de julho de 1898 e morreu em Poço Redondo dia 28 de julho de 1938, ele foi um cangaceiro brasileiro e ficou conhecido como o rei do cangaço. Confira agora algumas frases de Lampião que selecionamos para você colocar no Msn ou Orkut.
frases de lampiao
Dinheiro eu tenho que só bosta de cabra em chiqueiro velho. Obs.: Frase dita a um morador de uma pequena cidade de Sergipe que estranhou a quantidade de dinheiro que Lampião carregava. [ Lampião ]
Num sei pruquê eu nunca vi home corado na minha frente. Obs.: Dito em Queimadas, na Bahia, enquanto sangrava (enfiava o enorme punhal na fossa clavicular) sete soldados da polícia. [ Lampião ]
Diga a ele que eu não tenho medo de boi velhaco, quanto mais de bezerra. Obs.: Recado enviado ao tenente João Bezerra, o homem que o matou em Angico. [ Lampião ]
Cidade com mais de uma torre não é para mim. [ Lampião ]
É Lampião que vai entrando, amando, gozando, querendo bem. Bom cumo arroz doce tando carmo. Zangado é salamanta. Obs.: Frase pronunciada em Capela (SE). [ Lampião ]
Que negro bom para uma enxada. Obs.: Aqui, Lampião confessa todo seu preconceito racial. Ele examinava as mãos de um juiz de Direito no interior da Bahia, por duvidar que ele era mesmo uma autoridade pelo fato de ser negro. [ Lampião ]
Lá vêm os macaquinhos. Vamos pegar para criar que eles são bonitinhos. Obs.: Provocação referindo-se aos soldados, que os cangaceiros chamavam de macacos. [ Lampião ]