Frases em Latim



Philosophum non facit barba. (Barba não dá juízo)

Audaces fortuna juvat, timidosque repellit. (Ao homem ousado, afortuna estende a mão)

Semper eris similis cum quibus esse cupis. (Quem com coxo anda, aprende a mancar)

Tam desunt avido sua quam quod non habet. (Ao avarento falta o que não tem e falta o que tem)

Nemo consilio obligatur. (Quem aconselha não obriga)

Fames et mora bilem in nasum conciunt. (Boca não admite fiador)

Flectere commodius validas quam frangere vires. (Antes torcer que quebrar)

Unus duntaxat non preliatur. (Quando um não quer, dois não brigam)

Utilius tarde quam nunquam. (Antes tarde do que nunca)

Mali principii malus exitus. (Princípios ruins, desgraçados fins)

Accipere quam facere praetat injuriam. (Antes sofrer o mal que fazê-lo)

Ex gutta mellis generantur flumina fellis. (Pouco fel faz azedo muito mel)

Accipere, quam facere, praestat injuria. (Antes sofrer injúria, que praticá-la)

Omnia si perdas, famam servare memento. (Perca-se tudo, menos a honra)

Fecit iter longum, comitem qui liquit ineptum. (Antes só do que mal acompanhado)

Amor caecus. (Paixão cega a razão)

Abbati, medico, patronoque intima pande. (Ao médico, ao advogado e ao abade, falar a verdade)

Antequam noveris, a laudando et vituperando abstine. (Antes que conheças, não louves nem ofendas)

Unius peccata tota civitas luit. (Paga o justo pelo pecador)

Liber inops servo divite felicior. (Antes pobre sossegado que rico atrapalhado)

Illic est oculus qua res quam adamamus. (Os pés irão onde quiser o coração)

Litterarum radices amarae, fructus dulces. (Aprende chorando e rirás ganhando)

Melius est abundare quam deficere. (Antes de mais que de menos)

Oculus animi index. (Os olhos são a janela da alma)

Ante mortem ne laudes hominem quemquam. (Antes da morte, não louves a ninguém)

Auro loquente, nihil pollet quaevis oratio. (Onde o ouro fala, tudo cala)

Dementis convitia nihil facias. (Antes calar que com doidos altercar)

Multitudo imperatorum curiam perdidit. (Onde muitos mandam, ninguém obedece)

Anulus aureus in nare suilla. (Anel de ouro não é para focinho de porco)

Ubi mel, ibi apis. (Onde há mel, há abelhas)

Comes facundus in via pro vehiculo est. (Andando de dois, se encurta o caminho)

Jus rationis abest, ubi saeva potentia regnat. (Onde ha força, direito se perde)

Plurima praestat amor, sed sacra pecunia cuncta. (Amor faz muito, mas dinheiro faz tudo)

Opus artificem probat. (O trabalho é que faz o homem)

Amor amore compensatur. (Amor com amor se paga)

Somnus est frater mortis. (O sono é parente da morte)

Amicitia vera similis est consanguinitati proximiori. (Amigo velho é parente)

Sol lucet omnibus. (O sol nasce para todos)

Qui servit communi servit nulli. (Amigo de todos e de nenhum, tudo é um)

Quae fuit durm pati meminisse dulce est. (O que é ruim de passar é bom de lembrar)

Alieni appetens, sui profusus. (Ávido do alheio, pródigo do próprio)

Amicus Plato, sed magis amica veritas. (Amigo de meu compadre, porém mais da verdade)

Optima citissime pereunt. (O que é bom não dura)

Amicus certus in re incerta cernitur. (Amigo certo conhece-se na hora incerta)

Nihil sine Dio. (O pouco com Deus é muito, e o muito sem Deus é nada)

Vilis aqua et panis, potus et esca canis. (Água e pão, comida de cão)

Allia quando terunt retinent mortaria gustum. (O pilão conserva o odor do alho socado)

Advocaci nascuntur, judices fiunt. (Advogados nascem, juízes fazem-se)

Eficit insignem nimia indulgentia furem. (O perdão faz o ladrão)

Oblata occasione, vel justus perit. (Arca aberta, o justo peca)

Accipe quod tuum, alterique da suum. (Aceita o que é teu e dá o alheio a seu dono)

Deterior parvum sanctificare solet. (Atrás de mim virá quem bom me fará)

Dominus vidit multum in rebus suis. (O olho do dono trabalha mais que as mãos)

Sapientia longe preestat divitiis. (Acaba-se o haver, fica o saber)

Alea turpis mediocribus. (O jogo só é desonroso para o pobre)

Abusus non est usus, sed corruptela. (Abuso não é uso, mas corruptela)

Ab auditione mala non timebit. (O homem honrado não teme murmúrios)

Amat victoria curam. (A vitória ama a cautela)

Abbati, medico, patronoque intima pande. (Ao médico, ao advogado e ao abade, falar a verdade)

Amantium ira redintegratio amoris est. (Arrufos de namorados são amores renovados)

Consensus tollit errorem. (O erro repetido passa por verdade)

Oculus domini saginat equum. (A vista do dono engorda o cavalo)

Avarum irritat, non satiat pecunia. (O dinheiro excita, mas não sacia o avarento)

Mellita, domi adsum (Querida, cheguei!)

Aliud in ore, aliud in corde. (O coração sente e a boca mente)

Uti, non abuti. (Usar, não abusar)

Auctor opus laudat. (O autor louva sua obra)

Balbus balbum intellegit. (Um gago entende o outro)

Amor vincit omnia. (O amor tudo vence)

Si vis pacem, para bellum. (Se queres a paz, prepara-te para a guerra)

Amor et potestas impaciens consortis. (O amor e o poder não querem sócios)

Volle est posse. (Querer é poder)

Amor tussisque non celantur. (O amor é como a tosse: impossível ocultar)

Post gaudia, luctus. (Quem ri hoje, chora amanhã)

Sustine et abstine. (No sofrer e no abster está todo o vencer)

Semel malus, semper malus. (Quem foi ruim, não deixa de ser)

Ad impossibilia nemo tenetur. (Ninguém é obrigado a fazer o impossível)

Aut non tentaris, aut perfice. (Para não acabar, é melhor não começar)

Non omnia quae vera sunt recte dixeris (Nem todas as verdades se dizem)

Nocte lucidus, interdiu inutilis. (O que se faz de noite, de dia aparece)

Aliquis non debet esse judex in propria causa. (Não se deve ser juiz de causa própria)

Mala parta, male dilabuntur. (O mal ganhado, o diabo o leva)

Inspice bis potum et chartam subscribe scienter. (Não se bebe sem ver, nem se assina sem ler)

Dicitur ignis homo, sic femina stupa vocatur; insuflat deamons: — gignitur ergo focus. (O homem é fogo e a mulher estopa: — vem o diabo e sopra)

Inimici sui amicum nemo in amicitia sumit. (Não pode ser meu amigo o amigo de meu inimigo)

In vino veritas. (No vinho está a verdade)

Grata brevitas, grata novitas. (Brevidade e novidade muito agradam)

Fames optimum condimentum (Não há tempero tão bom como a fome)

Vanitas vanitatum, et omnia vanitas. (No mundo, tudo é vaidade)

Causa debet praecedere effectum. (Não há efeito sem causa)

Nmo propheta acceptus est in patria sua. (Ninguém é profeta em sua terra)

Omnium rerum vicissitudo est. (Não há bem que sempre dure, nem mal que sempre ature)

Dulcia non novit qui non gustavit amara. (Não gosta do doce quem não prova o amargo)

Quod tibi non vis, alteri ne facias. (Não faças a outrem o que não quererias que ti fizessem)

Cui nunquam satis est, possidet ille nihil. (Nada tem quem não se contenta com o que tem)

Mendaci ni verum quidem dicenti creditur. (Na boca do mentiroso o certo se faz duvidoso)

Morienti cuncta supersunt. (Ao vivo tudo falta, e ao morto tudo sobra)

Ille nihil dubitat qui nullam scientiam habet. (Nada duvida quem nada sabe)

A barba stolide discunt tondere novelli. (Na barba do tolo aprende o barbeiro novo)

In cauda venenum. (Na cauda é que está o veneno)

Per multum risum stultus cognoscitur. (Muito riso é sinal de pouco siso)

Musco lapis volutus non abducitur. (Pedra que rola não cria limo)

Multa fidem promissa levant. (Muito prometer é uma maneira de enganar)

Cespite natali quilibet optat ali. (Para o passarinho, não há como seu ninho)

Verbum emissum non redit. (Palavra e pedra que se soltam não têm volta)

Antiquus pullum scandere novit eques. (Para cavalo novo, cavaleiro velho)

Quae mala cum multis patimur leviora videntur. (Mal de muitos consolo é)

Et vitrum et mulier sunt in discrimine semper. (Mulher e vidro sempre estão em perigo)
Aes debitorum leve, grave inimicum facit. (Pequenas dívidas fazem grandes inimigos)

Melior est canis vivis leone mortuo. (Mais vale um burro vivo que um doutor morto)

Mel in ore, fel in corde. (Boca de mel, coração de fel)

Quod multum commune est, minima abdhibitur diligentia. (Panela que muitos mexem, ou sai insossa ou salgada)

Obscurum vestis contegit ampla genus. (Bom traje encobre ruim linhagem)

Consilium faciendo, facto adhibeto medelam. (Ao que está feito, remédio; ao por fazer, conselho)

Bis gratum quod ultro offertur. (Mais vale um “toma” que dois “te darei”)

Copia sermonis non est consors rationis. (Quem mais grita não é quem tem mais razão)

Audies bene ab hominibus et tuto vivas. (Ganha fama e deita-te na cama)

Arbor ex frutcu cognoscitur. (Pelo fruto se conhece a árvore)

Dies posterior prioris est discipulis. (O tempo é mestre)

In nocte consilium. (O travesseiro é o melhor conselheiro)

Felix est non aliis qui videtur, sed sibi. (Feliz é quem feliz se julga)

Plura timenda divitibus. (Quem tem o que perder, tem o que comer)

Quae recte fiunt nunquam benefacta peribunt (Fazer o bem nunca se perde)

Vincit qui tapitut. (Quem não sabe sofrer, não sabe vencer)

Fiat justitia et ruat caelum. (Faça-se justiça, embora desabem os céus)

Nulli pro libito est unquam concessa libertas. (Quem não quer quando pode, não pode quando quer)

Via trita, via tuta. (Estrada aberta é caminho)

Quousque promittas tardus, ut festinus praetes. (Até prometer, sede escasso)

Contra vim mortisnon est medicamen in hortis. (Para tudo há remédio, menos para a morte)

Dum felis dormit saliunt mures. (Enquanto dormem os gatos, correm os ratos)

Quid caeco cum speculo? (Para que cego com espelho?)

Si prestabis, non habetis; si habetis, non tam bene; si tam bene, non tam cito; si tam cito, perdis amicum. (Emprestaste e não cobraste; e, se cobraste, não tanto; e, se tanto, não tal; e, se tal, inimigo mortal)

Timor Domini initium sapientiae est. (O temor de Deus é o princípio da sabedoria)

Commoditas omnis fert sua incommoda. (Em toda parte há um pedaço de mau caminho)

Pudere praestat quam pigere. (Mais vale vergonha na cara que mágoa no coração)

Quae dolent ea molestum est contingere. (Em casa de enforcado não se fala em corda)

Ubi amici, ibi opes. (Mais vale amigo na praça do que dinheiro na caixa)

Tutum silentium praemium. (Em boca fechada não entra mosca)

Amplius juvat virtus, quam multitudo. (Mais vale a qualidade que a quantidade)

Aequitas praeferitur rigore. (É preferível a eqüidade ao rigor)

Saepe potestatem solita est superare voluntas. (Mais faz quem quer do quem pode)

Nostra nos decet, non sanguine niti. (É melhor ser bom que de boa raça)

Furem fur cognoscit, et lupum lupus. (Lobo não come lobo)

Sentientum cum multis. (É melhor errar com muitos que acertar com poucos)

Cui lingua est grandis, parvula dextra est. (Língua comprida, sinal de mão curta)

Laedere facile, mederi difficile. (É mais fácil rasgar que costurar)

Hospes et piscis tertio quoque die odiosus est. (Hóspede e peixe com tres dias fede)

Crescit in egregios parva juventa viros. (Dos meninos se fazem os homens)

Ira quae tegitur nocet. (Guarda-te de homem que não fala e de cão que não ladra)

Leges bonae malis ex moribus procreantur. (Dos maus costumes nascem as boas leis)

Aequitas praeferitur rigore. (É preferível a eqüidade ao rigor)

Confestim fletus emissae conjugis arent. (Dor de mulher morta dura até à porta)

Non bene pro toto libertas venditur auro. (Arrenego de grilhões, ainda que sejam de ouro)

Prudens in loquendo est tardus. (Bom saber é o calar, até ser tempo de falar)

Aliud est facere, aliud est dicere. (Do dizer ao fazer vai muita diferença)

Qui gladio ferit, gladio perit. (Quem com ferro fere, com ferro será ferido)

Inter dictum et factum multum differt. (Do dito ao feito vai grande eito)

In maledicto plus injuriae quam in manu. (Palavras ditas, pancadas dadas)

Ex bove coria sumuntur.(Do couro sai a correia)

Quod non potest diabolus mulier evincit. (O que mulher quer, nem o diabo dá jeito)

Veritas odium parit.(Dizendo-se as verdades, perdem-se as amizades)

Non bene imperat, nisi qui paruerit imperio. (Não sabe governar quem não sabe obedecer)

Non mos ad vitam, sed consuetudo probanda. (Dize-me com quem andas e eu te direi as manhas que tens)

Procul ex oculis, procul ex mente. (Longe da vista, longe do coração)

Nummus nummum parit. (Dinheiro é que faz dinheiro)

Tractent fabrilia fabri. (Cada qual no seu ofício)

Utile quid nobis novit Deus omnibus horis. (Deus sabe o que faz)

Bellum dulce inexpertis. (Bem parece a guerra a quem não vai nela)

Deus est solus scrutator cordium. (Deus não lê nas caras e, sim, nos corações)

Verba mollia et efficacia. (As boas palavras custam pouco e valem muito)

Pro ratione Deus dispertit frigora vestis. (Deus dá o frio conforme a roupa)

Fallitur visio. (As aparências enganam)

Leoni mortuo lepores insultant. (Depois da onça morta, até cachorro mija nela)

Absit qui mea manducat mecum et sua secum. (Arrenego do amigo que come o meu comigo e o seu consigo)

A teneris consuescere multum. (De pequenino se torce o pepino)

In vento scribit laedens; in marmore laesus. (Aquele a quem se dá, o escreve sobre a areia; aquele a quem se tira, o escreve sobre o bronze)

Promptius est omnibus judicare quam facere. (De obras feitas todos são mestres)

Praestat invidiosum esse quam miserabilem. (Antes invejado que lastimado)

Ex domo felis discendit mus impransus. (De casa de gato não sai rato farto)

Priusquam mactaveris, excorias. (Antes de matar a onça, não se faz negócio com o couro)

Guttatim pelagi perfluit omnis acqua. (De gota em gota o mar se esgota)

Omnia cinis aequat. (A morte tudo nivela)

Aes sunt quod aliis nobis debentur. (Crédito é o que os outros nos devem)

Nihil est quod Deus efficere non possit. (A Deus nada é impossível)

Asinus asino et sus sui pulcher est. (Coruja não acha os filhos feios)

Fallacia alia aliam trudit. (Uma mentira acarreta outra)

Labor improbus omnia vincit. (Com paciência e perseverança, tudo se alcança)

Qui se consuluit solus secum ipse dolebit. (Quem não aceita conselhos, não merece ajuda)

Flare simul, sorbere simul, res ardua semper. (Com bochecha cheia de água ninguém sopra)

Dubitando ad veritatem parvenimus. (Quem mais duvida, mais aprende)

Non male sedit qui bonis adhaerit. (Chega-te aos bons e serás um deles)

Ferrum quo non utimur, obducitur rubigine. (Chave que se usa está sempre limpa)

Lepores duos insequens, neutrum capit. (Quem corre atrás de dois, um vai embora)

Abundans cautela non nocet. (Cautela e caldo de galinha nunca faz mal a ninguém)

Sona si Latine loqueris. (buzine se você fala latim)

Quid pectunt qui non habent capillos. (Careca não gasta pente)

Testis unus, testis nullus. (Uma testemunha, nenhuma testemunha)

Canes timidi vehementius latrant. (Cão que ladra não morde)

Molam qui vitat, farinam vitat. (Quem não quer trabalho, não quer ganho)

Alium silere quod voles, primum sile. (Cala primeiro o que queres que os outros calem)

Multis lingua nocet. (Quem muito fala, muito erra)

Sementem ut feceris, ita metes. (Cada um colhe conforme semeia)

Mali principii malus exitus. (Quem mal começa, mal acaba)

Aliud alic vitio est. (Cada qual tem seu defeito)

Quo quisque est altior, eo est periculo proximior. (Quem mais alto sobe, maior queda dá)

Factes tua computat annos. (Cada qual tem a idade que parece ter)

Ab alio spectes alteri quod feceris. (Quem faz o mal, espere outro tal)

Ad commodum suum quisquis callidus est. (Cada qual sabe onde o sapato lhe aperta)

Quis quae vult dicit, quae non vult audit. (Quem diz o que quer, ouve o que não quer)

Omnes sibi prius quam alteri esse volunt. (Cada qual puxa a brasa pra sua sardinha)

Malum est, malum est. (Quem desdenha quer comprar)

Dum canis os rodit, socium quem diligit odit. (Cachorro de cozinha não quer colega)

Ut quisque fortuna utitur, ita loquitur. (Cada qual fala da feira, conforme lhe vai nela)

Qui dat pauperi non indigebit. (Quem dá aos pobres empresta a Deus)

Ut quemque Deus vult esse, ita est. (Cada qual como Deus fez)

Faecem bibat qui vinum bibit. (Quem comeu a carne que roa os ossos)

Allia quando terunt, retinent mortaria gusta. (Cada cuba cheira ao vinho que tem)

2010-2017 Grandes Mensagens · O conteúdo deste site está licenciado sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional ·